Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

O sistema português que vai revolucionar a gestão de água nas cidades (com VÍDEO)

Mäyjo, 25.03.14

O sistema português que vai revolucionar a gestão de água nas cidades (com VÍDEO)

Um serviço informático 100% português colocou Lisboa na liderança das cidades mundiais com melhor gestão das perdas de água. Desenvolvido pela EPAL, o Wone permite a Lisboa ter perdas de água abaixo dos 9% – no resto do País, este número chega a uns insustentáveis 40%.

“É um exemplo de tecnologia 100% portuguesa, desenvolvida 100% por portugueses e que permitiu que Lisboa seja uma das cidades mais eficientes a nível mundial”, explicou ao Economia Verde José Sardinha, presidente do conselho de administração da EPAL.

Para além de Lisboa, apenas Tóquio, no Japão, tem perdas de água do nível dos 9%. A cidade de Nova Iorque, que tem um dos níveis mais eficientes do mundo, encontra-se nos 10%, por exemplo.

O sistema Wone monitoriza toda a rede da cidade durante 24 horas por dia, conseguindo detectar as fugas de água – incluindo as mais pequenas – antes de estas aparecerem à superfície.

“O Wone analisa a pressão e o caudal, faz uma série de cálculos automáticos e envia diariamente, para os operadores – para smartphones, iPads, computadores portáteis ou fixos – o local das fugas e os valores”, continua José Sardinha, que confirmou que o sistema será exportado a curto prazo.

Quando o software começou a ser testado, as perdas de água em Lisboa atingiam os 25%. A EPAL estima terminar o ano de 2013 com perdas abaixo dos 8%, o que representa menos cinco milhões de metros cúbicos de água captada na barragem de Castelo de Bode – e €450 mil de poupança. Todas estas poupanças acabam por beneficiar os 350 mil clientes directos da empresa e, sobretudo, as famílias mais carenciadas.

Veja o episódio 167 do Economia Verde.

 

Foto:  NeilGHamilton / Creative Commons